Probióticos

Medicina popular: Lactobacillus (Probióticos) – Bactérias da microbiota intestinal

Existem aproximadamente 100 trilhões de bactérias em nosso intestino, representantes de 400 a 1000 espécies. Entre as mais comuns, são as enterobactérias, seja como constituintes da microbiota intestinal normal ou patogênicas, como: Escherichia, Aerobacter, Serratia, Salmonela, Shigella, Proteus, Yersinia, Lactobacillus e Bifidubacterium.

Probióticos são as bactérias que agindo em substrato apropriado (prebióticos) produz substâncias importante para nossa atividade da vida diária. Esta simbiose entre os microorganismos intestinais e nós inicia-se tão logo nascemos. Como os excessos (bebidas, antibióticos, antiinflatórios, uso de laxantes, etc) e mais o envelhecimento das células intestinais, ficamos carentes destes benefícios na velhice, causando um desequilíbrio na flora intestinal, conhecida como disbiose intestinal. bacilos

No intestino várias enterobactérias fermentam os carboidratos resultando na fermentação, produzindo ácido láctico, acético, succínico, fórmico, gases como etnol, gás carbônico. Os lactobacilos, também chamadas de bactérias lácteas, e as bifidobactérias, fermentam os carbohidratos e as fibras, por meio da fermentação láctea, gerando produtos como: ácido lático, ácido acético, ácido graxos de cadeia curta, enzimas digestivas (beta-galactosidase). As vitaminas do complexo B são produzidas pela fermentação provocada pela bactérias do gênero bifidubacterium, a partir de substratos carboidratos e fibras. A produção de ácidos pelos lactobacilos provocam a diminuição do pH intestinal, dificultando o crescimento de bactérias comensais ou, bactérias patogênicas.

Referências:

McFarland, L.V. Normal flora: diversity and functions. Microb. Ecol. Health Dis., v. 12, p. 193-207, 2000.

Savage, D.C. Microbial ecology of the gastrointestinal tract. Annu. Rev. Microbiol., v. 31, p. 107-133, 1977.

Martins FS, Tiago FCP,Barbosa FHF, Penna FJ, Rosa CA, Nardi RMD, Maria José Neves7, Nicoli JR – Utilização de leveduras como probióticos. Rev. Biol. Ciênc da Terra Vol. 5- N 2 – 2005 [on line]