Testosterona

Hormônios

TESTOSTERONA

A testosterona, um esteróide sintetizado a partir do colesterol ou diretamente da acetil-coenzima A (esta é resultante da conversão de ácido pirúvico, que por sua vez é produzido da degradação da glicose), é o principal hormônio sexual masculino produzida pelas células intersticiais de Leydig, que constituem o compartimento endócrino os testículos. Após sua secreção a testosterona liga-se à albumina plasmática e mais fortemente a uma beta – globulina chamada Globulina de Ligação de Esteróides Gonádicos que circula até aproximadamente uma hora e atinge os tecidos necessários para posterior degradação.

Nos tecidos predomina a ação da testosterona ligada a albumina pelo fato desta ligação ser mais facilmente quebrada. A testosterona, no interior destes tecidos, em grande parte é convertida em diidrotestosterona para realizar suas funções.

O principal controle de produção de hormônios sexuais é feito pelo hipotálamo através do GnRh (hormônio de liberação das gonadotropinas). O GnRh estimula a adeno-hipófise a produzir hormônios gonadotróficos: LH (hormônio luteinizante) e FSH (hormônio folículo estimulante). O LH estimula as células de Leydig a produzir testosterona. O FSH se liga a receptores das células de Sertoli nos túbulos seminíferos. Através desta ligação as células crescem e produzem substâncias que estimulam a produção de espermatozóide.
A testosterona, por sua vez, mantém a espermatogênese por longo tempo. A quantidade de produção de testosterona varia ao longo do dia, normalmente os níveis séricos são mais elevados no período da manhã em relação ao noturno. A produção diária diminui ao longo da vida, principalmente após os 45 anos de idade.

Funções da testosterona – Apresenta como funções: a diferenciação sexual masculina do embrião e do feto. Sua ação ajuda no desenvolvimento da genitália externa masculina, assim como próstata e testículo; diferenciação determinada pelo cromossomo Y que caracteriza o sexo masculino.

Na puberdade contribui para a virilização masculina com o aumento da massa muscular, distribuição típica de pelos, crescimento e desenvolvimento do pênis e dos testículos e também das cordas vocais. No adulto, controla todas as funções sexuais, desde a libido (desejo sexual) até potencia sexual e fertilidade. Atua também em gordura, sistema nervoso central, buscando um equilíbrio do organismo como um todo.

Vários estudos têm demonstrado a redução dos níveis de testosterona com o envelhecimento. Estima-se em 1% a queda anual em quantidade de testosterona circulante após os 30 anos de idade, associado a aumento nos níveis de SHBG (globulina ligadora de hormônios sexuais) com o envelhecimento. A ligação da testosterona com esta globulina é de forte intensidade o que prejudica sua ação nos órgãos alvo.
A diminuição de testosterona tem três causas básicas: alterações testiculares primárias com diminuição da sua secreção; a segunda decorrente da irregularidade dos pulsos de LH e de menor produção de GnRh; a terceira é o aumento da capacidade de ligação da SHBG em torno 1,2% ao ano.

Referências:

CAMPUSANO,C.M. et al. Comparación de distintos métodos para evaluar la funcion andrógenica em el adulto mayor.Rev. Méd. Chile, v.134, p.1123-1128, Marzo 2006.

KOHN F.M., Testosterone and body functions.Aging Male.2006;9(4),p.183-188.

MARTITS, A.M., COSTA E. M. F. Hipogonadismo Masculino Tardio(Andropausa): Diagnóstico.Projeto Diretrizes-Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. Jul.2004.

MARTITS, A.M., COSTA E.M. Hipogonadismo Masculino Tardio (Andropausa): Tratamento. Projeto Diretrizes-Associação Médica Brrasileira e Conselho Federal de Medicina.Jul.2004.

MOCADA I., Testosterone and men’s quality of life. Aging Male. 2006 Dec.; 9(4), p.189-93.