Vitamina B1 – Tiamina

frutas

Ortomolecular

Os idosos por uma série de circunstâncias, apresentam algum grau de de carência alimentar, a chamada “desnutrição oculta” , ou seja, apesar de se alimentar, não ingere vitaminas e oligoelementos nas quantidades necessárias para o bem estar da saúde. Tanto os oligoelementos (sódio, potássio, magnésio, boro, cálcio, etc) como as vitaminas devem ser obtidas das frutas, verduras e legumes, em estado natural. Estes elementos, não são fabricados pelo ser humano, e quando cozidos os vegetais, perdem muitas de suas propriedades, sobretudo as vitaminas.

Vitaminas são compostos químicos (aminas) vitais para a vida, dai o nome vital + amina. Como relatamos acima o ser humano fabrica hormônios, enzimas, proteínas, mas não fabrica vitaminas, que são ingeridas e estocadas no organismo.
Freqüentemente, a deficiência de tiamina (Vitamina B1) está associada ao alcoolísmo, tendo como suas principais manifestações, as neurites, a Cardiopatia beribérica e a Encefalopatia de Wernicke-Korsakoff.

Nos idosos pode ocorrer deficit “subclínico” onde os sinais e sintomas são inespecíficos e variados, como, irritabilidade, insônia, cãimbras, deficit de memória, fadiga, etc. Pepersack e cols. 1999, em estudos populacionais com idosos mostraram que 8% a 31% dos idosos que vivem em seu domicílio e 23% a 40% dos que vivem institucionalizados possuem de deficiência de tiamina, exibem quadros subclínicos, e tem piora da sua qualidade de vida. Dai a necessidade de seu rápido reconhecimento e suplementação alimentar.

A tiamina é conhecida como “vitamina da moral’ ou ‘vitamina do humor” pelos efeitos benéficos sobre o sistema nervoso e a disposição mental, possivelmente porque favorece o metabolismo dos carboidratos, liberando ATP (fonte de energia para o cérebro).

A tiamina é sintetizada pela bactérias da microbiota intestinal, são hidrossolúveis e se perde com o cozimento. A quantidade de tiamina diminui com a utilização exagerada de açúcar, café, chá preto, nicotina e álcool.

A forma ativa da tiamina é a tiamina pirifosfato.

Propriedades funcionais
– Reduz a fadiga física e aumenta a disposição mental junto com a vitamina B6.

– Coadjuvante em tratamento da dor e da ansiedade.

– Auxilia nas terapias neurológicas: paralisia facial, esclerose múltipla e neurites.

– Usada no tratamento do estresse e tensões musculares.

Interações:O magnésio e o zinco facilitam sua utilização pelos tecidos, e a vitamina C intensifica sua ação sobre o cérebro.

Fontes naturais
Levedura de cerveja, cereais e grãos integrais, castanha do Pará, gema de ovo, carne, nozes, farinha de trigo, germe de trigo.

Doenças causadas por carência de Vitamina B1:

Degeneração cerebral (afetando orientação geral e capacidade de andar) – Síndrome de Wernicke – Korsakoffn e o Beribéri.

Vários pesquisadores têm observado a ocorrência (44% dos casos) da deficiência de vitamina B1 nos pacientes idosos portadores de deficit coginitivos, analisados através do mini-exame do estado mental e de suas habilidades no desempenho das atividades diárias. Sugerindo que sua suplementação melhoraria o quadro.
Sintomas que podem sugerir carência de tiamina; sudorese noturna, caimbras, parestesias (formigamento) nas mãos e pés, confusão mental, fraqueza geral, desorientação, ansiedade, nervosismo, fadiga, insônia, perda da coordenação motora e perda do equilíbrio.

Referências:

Global Aging on Action [on line]

Mayo Clinic – Drugs & Supplements – Thiamin (thiamine), vitamin B1 [on line]

Marchini JS, Ferriolli E, Moriguti JC. Suporte nutricional no paciente idoso: definição, avaliação e intervenção. Medicina, Ribeirão Preto jan/mar 1998;31:54-61.

O’Keefee – Thiamine deficiency in elderly people. Age and ageing, 2000;29:99-101.